I’m back…

Em 2009 comecei um blog que acabei tirando do ar. Na abertura, usei uma frase da escritora canadense/britânica Rachel Cusk. Cusk viveu boa parte da vida em Los Angeles, estudou literatura em Cambridge, escreveu 11 romances e em 2003 entrou na lista dos 20 melhores jovens romancistas britânicos. Este semestre, procurando um novo tema de pesquisa, acabei esbarrando em uma coisa chamada “auto-ficção”, da qual Cusk é um dos expoentes, ao lado escritor norueguês Karl OveKnausgard, e também do cubano  Guillermo Cabrera Infante e da catalã Esther Tusquets.

A frase é : “41, the age when a life comes out of its own past like something out of a mold; and either it is solid, all of a piece, or it fails to hold its shape and disintegrates”. Na época, e ainda hoje, me atinge como um piano na cabeça.  É de “The Bradshaw Variations”, e diz mais ou menos isso: “41, a idade em que a vida sai de seu próprio passado, como algo que é extraído de uma forma; e das duas uma:  ou é concreto e íntegro – ou não é capaz de sustentar seus contornos e se desintegra”. Na época, eu queria  retomar a escrita e precisava dar uma guinada na vida. Bom, ainda não escrevo tanto quanto gostaria, e não sei se dei alguma guinada.

Se meu bolinho de areia saiu da forminha abstrato e dadaísta aos 41, aos 52 nem sei se levei forminha para a praia. Ou se fui para a praia, ou se tinha praia na praia…. A sensação permanente de estar com a roupa errada-muito arrumada, pouco arrumada- passou. Como dizia meu amigo Jarson Frank, “jornalista está sempre bem vestido”.  Tradução: a gente não precisa se adequar aos códigos de vestir.

O que eu achava ser meu último carregamento de pó de pirlimpimpim não era. Não sei se não era Pirlimpimpim ou se não era o último, escrevo sobre isto em uns 10 anos. No momento  acho que sem algumas telhas corridas, remédios controlados, álcool e algumas drogas não há como olhar para fora – para este e outros governos de extrema direita, a cara de pau do Moro, a falta de vacina na África- e não querer sumir.

Ainda não sei como fui me transformar nesta pessoa que tem um faqueiro e copos de licor, mas já coloquei o faqueiro em uso. Quase posso mandar tudo à merda (as meninas cresceram), mas sou reprimida demais para fazer isto. É mais provável que eu simplesmente saia à francesa. E, sim, é intricada a arte de achar o equilíbrio entre estar vivo de verdade, pagar muitos boletos e colocar Elephant Gun (ou Eva, aquela do nosso amor na última astronave) no volume máximo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s