“Vai sair assim?”

“Vai sair assim?” “Você só está mais inteligente porque eu te dou esta condição”. “Você está louca”. A violência contra a mulher alcança todas as idades, diversas classes sociais, raças, credos, níveis educacionais, profissões, e atinge mulheres urbanas e rurais. Pensando em iniciativas capazes de despertar a reflexão sobre violências desapercebidas no dia a dia, a artista e designer Ana Terra Vignes começou a coletar frases, muitas vezes brutais, que nem sempre são nomeadas como violência.

O Projeto “Ecoa: Frases que Não se Esquece, Recortando a Dor” surgiu deste processo, e foi contemplado no edital da Lei Aldir Blanc de 2021. Executado com recursos do Governo Federal através da Fundação Catarinense da Cultura, Ecoa ganha agora uma exposição online e, em breve, deve circular pelo estado como exposição individual.

O trabalho de Ana Terra Vignes explora estas narrativas por meio de recorte de papel, através da técnica paper cut. Ana é formada em Design de Moda pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UniSul), e até o início da pandemia se dedicava à Ana Terra Acessórios, marca de joalheria e acessórios criada em 2012. Esta habilidade para o que é meticuloso, fundamental na joalheria e no paper cut, também esteve presente em alguns trabalhos na área de restauro. No projeto que recuperou o Palácio Cruz e Souza, por exemplo, foram três anos de destreza testada diariamente.

Tradicionalmente, fazer arte cortando desenhos em papel é uma técnica presente em vários tempos históricos e em diversas regiões do globo. São lembradas especialmente as silhuetas de retratos da alta sociedade americana do século XIX e a tradição chinesa, que data do século VI. A técnica japonesa mon kiri – também conhecida como kirigami – envolve cortar e dobrar papel para criar formas tridimensionais. No México o papel picado é usado em fileiras de faixas de papel cortadas e na construção de esculturas e enfeites que são pendurados para marcar feriados e outras ocasiões especiais. Na Polônia, os wycinanki apresentam padrões espelhados ou caleidoscópios de flores e pássaros.

Em 2020, influenciada pela pandemia e a necessidade de recolhimento, Ana resolveu abrir uma outra frente e deixar um pouco de lado a área da joalheria. Não foi uma decisão fácil: apesar de ser uma empresa pequena, A Ana Terra Acessórios ainda tem mercado estabelecido. Em 2021, a artista/designer mergulhou de cabeça no bisturi e nos papéis, estudando técnicas e conceitos. Acabou vendendo algumas obras e recebendo encomendas. Nos cinco painéis expostos em Ecoa, “Solidão”, “Fragmentos da Maternidade”, “Ego”, “Amém” e “Bleza Para Quem?” ela entalha meticulosamente o papel até criar padrões esculpidos e desenhos em espiral. Duas das obras chegam a ter 10 camadas de papel. O olhar mais atento vai perceber ritmo e fluxo nas frases de 94 mulheres, que na exposição virtual também viram trilha sonora para a apresentação.

A delicadeza das formas aproxima o observador de frases muitas vezes naturalizadas, mas que têm um impacto tão negativo em crianças, adolescentes e adultos quanto outras violências que fazem parte de um ambiente abusivo. Além de um refresco desta sociedade cada vez mais digitalizada e de um alerta para a questão da violência de gênero, o trabalho estimula a possibilidade de trabalhar com as mãos. Nos planos, além de circular a exposição, está uma parceria com a artista plástica Paula Schlindwein.

Serviço:
Exposição Ecoa, online no http://www.peopleartfactory.com
Instagram da artista e do projeto: @anaterravignes @projeto_ecoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s